Tradução: DailyMail, Reino Unido (1992)

Solidão da Lolita não amada: “Você meio que esquece quem realmente é, as verdadeiras sensações, as verdadeiras emoções e relações com as pessoas.”

 

A garota da Chanel Vanessa Paradis fala sobre o porquê as mulheres a atacam na rua. A última chamada incarnação da nova Brigitte Bardot está esparramada em uma cama de hotel de Londres com sua delicada face esmagada de lado na parede. Tem sombras escuras debaixo de seus olhos que parecem hematomas afundados. Talvez é só um fingimento e ela quer que você sinta pena dela. Mas eu não acho isso. Ela é uma garota que cresceu rápido demais; frequentemente não madura e não particularmente feliz.Com 19 anos, Vanessa Paradis é indústria nacional em crescimento e uma das mulheres mais ultrajadas na França. Recentemente ela foi atacada na rua por dúzias de meninas. Aconteceu fora de um hotel em Paris onde um grupo de 1000 garotas estava esperando pelo New Kids On The Block. Ela manteve seus olhos no chão e passou por elas. Mas uma delas a reconheceu.
“Aí de repente tem dúzias delas todas na minha cola, puxando meu cabelo, cuspindo em mim, me chamando de prostituta,” ela diz. “Acontece toda a hora. As pessoas pensam: ‘Ela é tão nova, nó podemos dizer e fazer o que queremos.’ O que você pode fazer? Em uma hora, eu ficaria agressiva e brigar na rua, a maior parte das vezes com mulheres. Eu era muito boa com meus punhos. Agora eu simplesmente ignoro.”

De qualquer modo, ela já ganhou o equivalente francês de um Oscar por fazer uma adolescente muito sedutora que é seduzida por seu professor, e ela fez três álbuns sexys apresentando uma vozinha ofegante. Revistas fazem matérias de capa sobre seu biquinho.

Mas neste país, Vanessa, o rosto oficial do perfume Coco da Chanel, é mais conhecida pelo seu comercial da Chanel na TV, onde ela balança de um trapézio em uma gaiola como um pássaro sinistro do paraíso.

Agora ela vai ficar internacional com um CD de músicas pop em inglês, chamado Vanessa Paradis, produzido pelo cantor/produtor americano Lenny Kravitz. MTV já comprou o vídeo de seu primeiro single, Be My Baby. Ele dá uma panorâmica perto de seu extrordinário lábio superior, um tipo de chapéu de Napoleão que inverte para cima para mostrar o buraco entre seus dentes da frente. O vídeo também mostra ela acariciando suas coxas e apertando suas pernas nuas em um trampolim. Sutil é que não é.
Vanessa afirma que não está atuando em seu vídeo pop e que o sexy vem naturalmente dela, que é parte da sua natureza – como a garota Chanel. Eu digo: “Puxe o outro, Vanessa,” e ela retruca “Eu não disse ao diretor que quero fazer um vídeo muito sexy e blá blá blá. Isso é simplesmente como eu sou. Eu posso ser sexy se quiser ser. De qualquer modo, eu acho que a imagem sexy combina com a música pop. Eu sei exatamente o que estou fazendo.”

Vanessa foi criada por pais de classe média, os dois decoradores de interior, em um subúrbio de Paris. Eles não empregaram uma babá, preferindo levá-la à todos os lugares com eles, incluindo jantares sofisticados dos quais ela se lembra de frequentemente dormir à mesa.

Ela foi encorajada a falar sobre sexo e drogas e outros assutos adultos antes de ser uma adolescente. Com limites, ela também foi encorajada e fazer precisamente o que gostava. “Okay, essas são as escolhas Vanessa; o que você quer, o que você acha?”. “Meus pais nunca disseram que eu era muito jovem para entender a vida. Eu acho que eles são maravilhosos. É estúpido decidir que pessoas são adultas com 18 anos. Você tem que ser capaz de fazer decisões sobre a sua vida assim que é capaz, ”diz Vanessa.

Uma de suas decisões foi aparecer com 6 anos em uma programa de TV francês, por um contato de seu tio ator, cantando uma música que a primeira linha se traduz assim: ‘Eu sou a bonita Emily…’ Com 14 anos, com a ajuda do mesmo tio, ela era uma pop star. Ela também era uma estudante muito infeliz. “Eu tinha acabado de mudar para uma lycee (escola) diferente e eu queria ser tratada como todos os outros, fazer amigos,” ela diz. “Mas as garotas pensavam que eu era arrogante então nenhuma delas falava comigo. Por dois anos. Isso era horrível e, sim, às vezes eu chorava. Crianças podem ser tão cruéis. Desde que eu era pequena, eu sempre preferi passar o tempo com pessoas mais velhas e é verdade, a maioria dos meus amigos são homens.”
Refletindo sobre a reação extrema que ela causa nas pessoas, especialmente mulheres em seu país, ela diz: “Reações para mim são sempre extremas. A pessoas me amam ou me odeiam. Mas as pessoas que me odeiam ainda vem à mim e me tocam e dizem sobre o seu ódio. Eu acho que isso é ciúmes ou amor, não odio. Amor e ódio são tão próximos.”

“A França é meu país e ela sente que eu pertenço à ela então ela pode me criticar. Acontece o mesmo com a Madonna, que é muito criticada pelos americanos, mas amada na França.” “Mas quando você só tem 14 anos e tem que lidar com todo esse amor e todo esse ódio, é simplesmente muito confuso. Eu sou chamada de Lolita mas eu nunca me senti como uma. Eu não li o livro, mesmo que devesse, porque tantas pessoas falam dele para mim.”

“Tinha vezes que eu estava indo à reuniões em um carro e colocava minha cabeça em uma sacola para tentar ser invisível. As coisas estavam correndo rápido demais para mim. Foi um choque perceber que ao meu redor nunca, mas nunca discordavam de mim. Eu era muito má, muito caprichosa com eles às vezes só para ver como reagiriam.”

“Eu iria em um estúdio de TV e pretendia estar muito brava, ordenar comida tipo caviar, qualquer coisa. Eu pensaria: ‘Okay, dessa vez eles vão ficar estressados e reagir’. Mas eles não reagiam. Você meio que esquece quem realmente é, as verdadeiras sensações, as verdadeiras emoções e relções com as pessoas”.

Com 16 ela saiu da escola e se modou com cantor francês de 30 anos, Florent Pagny, por três anos. Os pais dela estavam preocupados mas eles gostavam dele, ela diz. “Foi um momento que tudo mudou. Eu teria crescido de qualquer maneira mas demoraria mais.” “Eu aprendi a viver com um homem, a dividir meio a meio. Ele me ensinou um monte de coisas. Quando o conheci, eu era uma pessoa tímida e muito, muito louca. Eu não gostava das pessoas; eu achava que eram cruéis. Ele me ensinou a me abrir um pouco e eu realmente precisava disso.” “Ele também me protegeu muito. Nó saíamos em grupos de 20 então ninguém poderia me atacar. Às vezes ele diria: ‘Vamos ficar em nosso mundo’, e nós não saíamos. Então eu tive uma adolescência mas foi diferente da da maioria das pessoas.”

O affair com Pagny acabou e ela não tem um namorado no momento. “Isso me aborrece,” ela admite. Então ela fala: “Se eu tivesse um, ele seria tão infeliz porque eu raramente estou em casa. Mas eu preciso estar apaixonada, eu realmente preciso disso. A vida não tão excitante sem isso. Acho que fica mais difícil conhecer pessoas quando você é famoso. E eu sou uma garota muito difícil, muito dura de agradar.”

Acima de tudo, Vanessa quer bebês. Muitos deles. E ela acha que é “melhor começar logo” quando o homem certo aparecer. Isso não é um desejo de adolescente. Ela está falando sério. “Eu acho que um bebê é a coisa mais linda e pura do mundo. Eu sei que seria amor verdadeiro”. “Eu o amaria e ele me amaria e nós dois seríamos fortes perante o mundo. Nó seríamos tão fortes juntos que não teríamos que procurar amor. Todo o mundo está sempre procurando amor, não é? E também, minha vida é instável que ter um bebê seria a coisa mais maravilhosa.”

Sex symbols adolescentes que frequentemente riem e falam dos trinta quando você pergunta de ser mãe. Por outro lado, adolescentes danificados que veem salvação no amor inqualificado de um bebê, são todos comuns demais. Ela pode iluminar como uma lâmpada de 150 watt para as câmeras hoje, mas ela parece uma menina exausta precisando de um abraço. Ela diz que só se sente bonita quando está apaixonada ou usando muita maquiagem. “Eu acho que odeio meus dentes, eu odeio meu nariz e queria ser mais alta.”

Ela também gostaria de soar como sua heroína Aretha Franklin. “Eu não canto porque eu gosto do som da minha voz, eu canto porque me dá prazer. Eu ainda tenho a voz de um bebê e isso sempre me choca.”

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s