Tradução: Rolling Stone, França (Dezembro de 2018)

Retorno às fontes
Com seu novo álbum, Vanessa Paradis demonstra que ocupa um lugar especial na paisagem musical francesa. Reencontro.

Continuar lendo

Anúncios

Tradução: L’Officiel França (Dezembro de 2018)

“Meus olhos dizem a verdade”

O amor, os elementos naturais e uma música exclusivamente orgânica: após seis anos de ausência, o retorno das canções de Vanessa Paradis se faz com beleza com “Les Sources”. Fidèle entre as fidèles, a musa da Chanel nos confia seu olhar sobre a moda e sua alegria de trabalhar com novos colaboradores, entre eles, seu marido.

Continuar lendo

Tradução: Le Journal de Montréal, Canadá (17/11/18)

Retorno à música por Vanessa Paradis
Nos últimos anos, Vanessa Paradis trabalhou mais como atriz do que como cantora. Cinco anos após o lançamento de seu último álbum, aqui ela está de volta com uma nova obra, Les Sources. O jornal falou com a francesa de 45 anos.

Por que esperar cinco anos antes de lançar um novo álbum?
Você sabe, eu tenho outro emprego. Eufaço cinema. E eu fiz cinco filmes entre os dois álbuns! (risos) Entre os álbuns, é um verdadeiro prazer se tornar uma simples intérprete em um filme, interpretar a visão de outra pessoa. Por isso, é normal que eu gostasse do cinema quando terminava de fazer um álbum. E então, todo esse tempo, nós não paramos de compor músicas, de refletir… Eu, eu gosto bastante desse ritmo. “

Como a profissão de atriz pode nutrir a de cantora?
É um pouco abstrato. Ambos se alimentam, na verdade. Ser atriz libera a personalidade, a imaginação. Quando eu toco no cinema, meu ouvido musical me ajuda muito não apenas a lembrar meu texto, mas a dizê-lo de uma maneira particular. Há uma música nos diálogos falados no cinema. E o cinema me ajuda quando eu canto, porque cantamos com o coração dele, com suas entranhas.

Para o novo álbum, você tem algumas músicas nas gavetas que você acumulou nos últimos anos?
Há músicas que eu comecei há quatro anos e que terminei. Mas foi especialmente depois de marcar uma reunião com o produtor, Paul Butler, que o trabalho começou. Reservamos um estúdio e trabalhamos todos os dias para aperfeiçoar as músicas. Eu também recebi muitas canções de outros autores e compositores. Eu escolhi as que mais gostei.

Por que há uma música em italiano no álbum?
Porque foi enviado para mim por Fabio Viscogliosi. Eu achei realmente formidável em italiano. Foi um prazer cantá-la nessa língua. É alegria. Faz você cantar de maneira diferente, dá outra postura, outra atitude, outra interpretação.

Seu italiano é bom?
Em tudo! (risos) É praticamente inexistente. Ainda assim, há muitas palavras que eu entendo. Há uma atriz italiana muito bonita que me ajudou com o meu sotaque.

Como será sua próxima turnê?
Está ficando organizada. Há shows marcados para a primavera na França. E então, certamente estaremos viajando no outono de 2019. Espero finalmente vir para o Canadá.

Depois de todos esses anos, ainda existe uma bela conexão entre você e o Quebec?
Há decididamente uma bela conexão, porque cada vez que eu estou entre vocês, eu passei por momentos maravilhosos. Eu tive a chance de trabalhar com um dos seus mais belos diretores, Jean-Marc Vallée. Então, é claro, toda vez eu passei por momentos deliciosos, fosse em shows, jantando com amigos. Há uma boa mentalidade entre vocês, eu acho.

Desde Café de Flore, você continua a seguir a carreira de Jean-Marc com o canto do olho?
Claro. Eu só estou esperando apenas por uma coisa: que ele tenha tempo para fazer um pequeno filme comigo! Mas eu não sei se ele terá tempo. Eu acho maravilhoso, esse Jean-Marc Vallée. Ele tem muito talento, muita humanidade e emoção. Eu gosto muito disso.

Fonte

Tradução: Grazia, França (16/11/2018)

VANESSA
Seu novo álbum acaba de ser lançado. Reúna-se com Vanessa Paradis e discuta seu álbum, a música que ela ama e a necessidade de estar sempre atenta.

Continuar lendo